Joint Venture: reorganizando os negócios na sua empresa

Joint Venture: reorganizando os negócios

Você já ouviu falar em Joint Venture?

É um tipo jurídico-empresarial que pode beneficiar muitas organizações.

Uma forma de empreendimento conjunto que vem sendo indicada, principalmente, para expansão de negócios – e muito utilizada nos momentos de baixa no mercado.

Mas você sabe como funciona? Como se beneficiar dessa oportunidade?

Neste artigo vamos explicar o que é Joint Venture, suas características e as vantagens dos modelos de empreendimentos conjuntos e de união comercial.

É só acompanhar!

O que é Joint Venture?

Podemos resumir como uma associação econômica, entre duas ou mais empresas, durante um período determinado.

Nesse período, as firmas envolvidas mantêm sua personalidade jurídica própria, bem como sua autonomia financeira e administrativa.

O modelo de Joint Venture busca diminuir os riscos do negócio e melhorar o alcance da produção, sem interferir na estrutura institucional das empresas.

Ele vem ganhando destaque, cada vez mais, no meio empresarial, já que costuma gerar ótimos resultados para os participantes.

Quais as vantagens de Joint Venture?

Os acordos de Joint Venture são estabelecidos com diversos objetivos: logísticos, industriais, tecnológicos etc.

Duma maneira geral, podemos listar algumas vantagens advindas desse tipo de parceria:

Barateamento da produção

O principal atrativo da cooperação econômica é a redução dos custos de cada negócio.

Produzir torna-se mais barato, quando se compreende como reduzir os gastos, o que acontece naturalmente em joint ventures, onde os custos de investimento são distribuídos entre os parceiros.

Assim, o setor de distribuição do empreendimento, por exemplo, não arca com tudo sozinho, como nas despesas com vendedores e transporte etc.

Desenvolvimento do mercado

Joint Venture também tem lugar na expansão de mercados.

Técnicas estratégicas ajudam a impulsionar os negócios para novos consumidores ou novas regiões – e até mesmo para o comércio exterior.

E tudo isso possibilita maior competitividade e projeção de marca para outros mercados.

Compartilhamento de know-how

A união das empresas permite a repartição de experiência técnica — know-how — entre os envolvidos.

E, quando todos podem compartilhar conhecimento, entre membros do mesmo empreendimento, os resultados só podem melhorar!

Esse quadro auxilia no aprimoramento das relações negociais.

Alcance de novos meios tecnológicos

Montar uma Joint Venture, ademais, ajuda a expandir sua rede de tecnologia.

Isso envolve não só investir em aparelhos e equipamentos, mas compartir novas técnicas de produção, novas formas de gestão, e, principalmente, possibilitar a automação de processos, que é o grande gargalo das empresas atualmente.

Esse tipo de investimento estimula a eficiência na produção e, consequentemente, o crescimento dos negócios.

Quais os modelos de Joint Venture?

Os modelos mais conhecidos e utilizados podem ser divididos em Contratual e Societária.

Joint Venture Contratual

Joint Venture contratual surge do acordo assinado num contrato societário, descrevendo todos os termos e condições para a prática do negócio conjunto.

As partes trabalham em forma de parceria, compartilhando os lucros ou perdas, conforme for estabelecidos no próprio contrato.

Funcionaria como uma espécie de “união comercial”.

Se quiser ver mais sobre o assunto, aproveite e confira direito societário para empresários.

Joint Venture Societária

Já a Joint Venture Societária acontece para um projeto ou empreendimento comum.

Nesse modelo, cria-se uma nova empresa, que terá personalidade jurídica própria, sem, todavia, interferir na autonomia das componentes.

Como são realizadas numa única transação empresarial, ou melhor, para um projeto específico, não existe uma relação contínua e duradoura (como seria nas empresas comuns).

Quando vale a pena investir em Joint Venture?

É muito importante que a administração consiga antecipar se o investimento nessa estratégia será positivo.

Para isso é necessário revisar a estratégia comercial e avaliar o cenário do mercado, para verificar a viabilidade da Joint Venture.

É recomendável também realizar a análise SWOT do seu negócio e do projeto, para mapear o mercado, conhecer pontos fortes e fracos do ramo, fatores internos e externos da organização, e estabelecer metas possíveis.

Somente assim poderão ser criados planos específicos, para que o empreendimento alcance o desenvolvimento projetado.

Mas, como todo negócio envolve oportunidades e riscos, não é diferente quando se trata de Joint Venture.

Por isso, é essencial ter planejamento e contar com auxílio profissional antes de tomar qualquer decisão estratégica.

***

E, então, o que achou? Se gostou do texto de hoje, aproveite para conhecer as dúvidas mais comuns de quem vai montar uma empresa.

Não se esqueça de acompanhar as próximas publicações: siga-nos nas redes sociais e compartilhe o conhecimento!