Endereço virtual para empresas: quais as vantagens?

Endereço virtual para empresas: quais as vantagens?

O endereço virtual para empresas é tendência do novo mercado, pelo uso inteligente da tecnologia e da legislação.

É uma saída tanto para profissionais iniciantes como para empreendedores já estabilizados no mercado.

Mas é preciso mudar seu mindset antes de abrir sua empresa com um endereço virtual.

Afinal, o modo de pensar o negócio será diferente, e muita gente ainda tem dúvidas sobre isso tudo, além de confundir esse serviço com o famoso “coworking“.

Por isso hoje vamos falar sobre o serviço de endereço virtual para empresas, uma tendência do novo mercado:

Afinal, o que é endereço virtual?

Para funcionar legalmente, e para ter reconhecimento no mercado, todo negócio precisa ter um endereço oficial.

Chama-se comumente de endereço fiscal, necessário para abertura da empresa, registro em órgãos públicos, recebimento de notificações etc.

Todavia, com ajuda da tecnologia, cada vez mais quem trabalha apenas com informação e comunicação pode atuar de qualquer lugar, bastando estar conectado à internet.

Isso revela uma tendência no mercado, que vai modificando o conceito de empresas-como-estabelecimentos para “escritórios virtuais”.

Ou seja, se um negócio, para funcionar, não precisa mais de prédios comerciais, salas, estruturas centralizadas etc., então basta ter um endereço para finalidade fiscal, enquanto a operação acontece noutro lugar.

Assim, as pessoas trabalham à distância, mas oficialmente a empresa tem sede no logradouro do endereço virtual.

Só que, para funcionar assim, você precisa contratar o serviço de outra empresa, que atue justamente com a cessão de endereço fiscal.

Esses lugares são conhecidos como escritórios virtuais ou como coworking.

Quais as vantagens para os negócios, com uso do endereço virtual?

Antes de contratar um escritório virtual – ou então de querer montar um – veja que tipo de responsabilidades e utilidades serão disponibilizadas.

É necessário ter uma estrutura básica para ser o endereço fiscal de outra empresa, como atendimento telefônico, recepção de correspondência, disponibilização de salas para reuniões etc.

Por outro lado, as utilidades do endereço virtual são amplas e podem ajudar tanto quem está iniciando a carreira como quem está precisando enxugar sua estrutura – e, claro, querendo economizar!

Veja alguns exemplos de como o escritórios virtuais vêm sendo utilizado:

  • profissional em home office: quem trabalha em casa conseguirá se regularizar perante órgãos públicos, bem como terá à disposição salas para receber clientes ocasionalmente;
  • empresários em crise: conseguem reduzir custos ao substituir o aluguel de prédios e salas ao adotar um endereço virtual;
  • profissional autônomo: mesmo que trabalhe de qualquer ludar, ele transmitirá maior credibilidade ao atender seus clientes num local devidamente estruturado;
  • atender clientes em outras cidades: será possível atender parceiros e clientes com negócios em outras localidades com menos custos.

Mas coworking e endereço virtual são a mesma coisa?

Coworking consiste – em termos bem simples – num ambiente de trabalho compartilhado.

Nele, profissionais de diferentes ramos compartilham o mesmo espaço, fisicamente, cada um na sua estação de trabalho ou sala privativa.

É muito comum para quem está iniciando na profissão, como arquiteto, designer, programador, contador etc.

Por isso também é conhecido como “escritório compartilhado” e pode oferecer salas para treinamentos e reuniões, bem como espaços para convivência etc.

Mas é importante não confundir o conceito de coworking e o de endereço virtual.

Afinal, nem todo escritório virtual será um coworking, ou seja, não haverá necessariamente um local onde seja compartilhado um ambiente de trabalho.

A relação entre ambos, então, está no fato de que normalmente todo coworking oferece também o endereço virtual – além de outras vantagens para os usuários, como:

  • custo-benefício: as mensalidades são mais baratas do que montar toda uma estrutura por conta própria;
  • networking: como o ambiente de coworking é compartilhado, várias parcerias e oportunidades podem surgir entre os usuários;
  • facilidade e agilidade: não é preciso passar por burocracias para equipar um escritório.

Mas também existem algumas “desvantagens” no coworking, pois:

  • o usuário não tem o poder de alterar fisicamente o ambiente;
  • você fica limitado no uso do espaço e pode nem sempre ter a estrutura à disposição quando quiser;
  • não dá para escolher quem trabalha no coworking nem quem compartilha o ambiente com você.

Enfim, caberá ao empreendedor entender suas necessidades e a tendência no mercado que se abre com a economia do compartilhamento!

*

O que você achou do texto? Aproveite para conferir nosso artigo sobre os impactos da tecnologia no ambiente de trabalho!

***

Siga-nos nas redes sociais: estamos no LinkedInFacebookTwitter e Instagram. Inscreva-se também em nosso canal no YouTube!

Acompanhe nossas publicações e compartilhe o conhecimento!