Sped e eSocial: a sua empresa já está adequada?

Sped e eSocial: sua empresa já está adequada?

O primeiro semestre de 2018 trouxe inovações legislativas sobre prazos, regras e procedimentos no âmbito do SPED e do eSocial.

A transição exige atenção, cautela e preparo por parte dos empreendedores.

Nessas horas, contratar auxílio profissional pode evitar erros, atrasos, multas etc.

Assunto relevante e urgente, é preciso conhecer as novidades do eSocial que estão por vir ao longo das fases de implantação.

Por isso, vamos falar sobre como funciona o SPED e o eSocial, suas aplicações e implicações para as empresas. Acompanhe a leitura!

O que são SPED e eSocial?

O eSocial faz parte do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), por isso também é chamado de SPED Social.

Ele surgiu com o intuito de unificar digitalmente as informações — fiscais, previdenciárias, trabalhistas — que são enviadas aos órgãos públicos, como INSS e Caixa Econômica Federal.

Seu propósito foi simplificar e reunir várias obrigações fiscais (como RAIS, DIRF, SEFIP, CAGED, GFIP etc.) num sistema digital único.

Assim, eventos como admissão de empregados, acidentes de trabalho, recolhimento pro FGTS, dentre outros, deverão ser transmitidos eletronicamente aos órgãos via eSocial.

E a vantagem é justamente otimizar o tempo de trabalho que se gastaria para elaborar, documentar e entregar todas as informações das empresas.

Como funciona o SPED Social?

As novidades referem-se à operação, aos prazos e às novas obrigatoriedades da plataforma governamental.

Agora o SPED reúne e padroniza todos os dados e informações de cunho fiscal, contábil e previdenciário de empregadores e empregados.

O objetivo da mudança foi melhorar a segurança das informações pro governo, facilitando o cruzamento de dados e a integração do sistemas públicos.

Por isso, os empresários devem realizar a migração das informações para o novo ambiente digital, sob pena de invalidade e multas.

E-social e as mudanças para as empresas

Em 1º de janeiro de 2018, o eSocial tornou-se obrigatório para quem teve faturamento bruto maior que R$ 78 milhões em 2016.

E, a partir de julho de 2018, tornou-se obrigatória a adesão para todos os empreendimentos, incluindo os Microempreendedores Individuais (MEI).

Ou seja, a informalidade será cada vez mais rara, mesmo nos pequenos negócios.

Já a partir de janeiro de 2019, a obrigatoriedade começará para empresas públicas e autarquias, segurados especiais e para o pequeno produtor rural.

Quem pode me auxiliar junto ao eSocial?

A ajuda de profissionais especializados é sempre imprescindível.

Uma assessoria jurídica, por exemplo, é essencial para todas as empresas, pois seu advogado é responsável por analisar os riscos diante da legislação.

A cautela é necessária para que não ocorra perda de prazos, com prejuízos em processos e infrações perante o Fisco.

Por isso é importante também que sua empresa conte com um bom escritório de contabilidade.

Afinal, todas as obrigações acessórias precisam ser cumpridas com a segurança e eficiência.

Mas também é essencial qualificar a sua própria equipe para compreender as novidades e operar corretamente o eSocial.

Por isso, você também pode buscar treinamentos ou cursos de qualificação profissional.

***

Agora que você já sabe a importância da contabilidade, confira também estas 5 dicas para escolher um bom escritório de advocacia.

Quer se manter atualizado sobre as novidades do mundo corporativo? Siga-nos nas redes sociais e compartilhe o conhecimento